Apoio:


sábado, 9 de janeiro de 2010

Cicloturismo em Curitiba, Matinhos e Morretes.

Com alguns dias livres para conhecer alguns lugares, o camarada Aramis se prontificou a realizar passeios pelo litoral e aos pontos turísticos de Curitiba. É claro que não pensei duas vezes antes de aceitar novas aventuras.

No dia que cheguei em Curitiba de ônibus, fui direto à casa do João Paulo, companheiro de viagem até o Chile. Tínhamos combinado de reunir a galera que fez a Expedição do Atlântico ao Pacífico, uma vez que, alguns não se conheciam pelo fato de concluírem a viagem em datas diferente. Com o pessoal comparecendo em massa, marcamos a ocasião em um jantar com pizzas. Uma confraternização muito massa.

Combinamos de pedalar no dia seguinte até Matinhos, Aramis, João e eu. Novamente estava no litoral paranaense, agora com um tempo maior para conhecer as praias e curtir um banho de mar. Pedalamos por toda a orla de Matinhos e Caiobá, onde também mergulhamos para refrescarmos um pouco do sol quente. Felizmente pegamos um tempo perfeito para estar na praia e aproveitamos também para conhecer um pouco do lugar.

A irmã do João Paulo estava hospedada em uma casa da tia deles em Matinhos, então fomos convidados a passar um tempo no lugar. Assim, novamente bem recepcionados, deixamos as coisas na casa e saímos para curtir o litoral.

No dia seguinte, voltamos à Curitiba, enfrentava pela primeira vez a subida da Serra do Mar, local de treinamento da galera antes de seguir viagem para o Chile. A volta foi tranqüila, não estávamos com pressa e assim pedalamos em um ritmo sossegado e apreciando a paisagem proporcionada pela serra.

No retorno à capital, novo passeio marcado, Aramis e mais alguns amigos tinham combinado de descer a Serra do Mar e depois ir até Morretes. Estava curtindo tudo aquilo, galera reunida, vários lugares interessantes, realmente uma férias inesquecível. A descida da serra foi alucinante mais uma vez, mas o que ficou marcado foi toda a beleza cultural, histórica e natural de Morretes, cidade extremamente rica por esses aspectos e com paisagens maravilhosas. Pedalamos pelo centro histórico, passamos pelos antigos casarões, provamos a culinária, sobretudo, o prato principal, barreado. Depois ainda fomos tomar um banho de rio e apreciar a natureza da região.

A volta para Curitiba foi ainda mais espetacular, subimos a Serra de uma forma alternativa, com o famoso Trem Curitiba-Paranaguá. Foram três horas de uma viagem inesquecível entre a Mata Atlântica, com um visual formidável, presenciando fauna e flora extremamente marcados pela beleza da natureza. O trem vai percorrendo os trilhos instalados ao lado de precipícios gigantescos, o que deixa a viagem ainda mais emocionante. Simplesmente perfeito.

Na capital, aproveitamos a chegada do Daniel e no Natal fomos conhecer os diversos pontos turísticos de uma das cidades mais modernas do país. Nossa primeira parada foi no Jardim Botânico, um enorme parque, com espaço cultural, jardins e lagos, delicadamente cuidado e famoso, principalmente, pela estufa de ferro e vidro que abriga mais de cinqüenta espécies naturais da Mata Atlântica, obra extremamente interessante, inaugurada 1991, inspirada no Palácio de Cristal que existiu em Londres, que juntamente com as demais belezas, fazem do lugar um dos pontos turísticos mais conhecido de Curitiba.

Pelas ruas de Curitiba, nos deparamos com algumas curiosidades antes de nos direcionarmos para o centro antigo da capital. Entre elas, uma rua que literalmente passa debaixo de um prédio. O centro antigo é marcado por construções históricas que hoje abrigam diversos tipos de estabelecimentos, de bares à colégios. Mesmo assim, não deixa de ser um local preservado e charmoso.

Ainda conhecemos o Relógio das Flores, o Museu Oscar Niemayer, que leva o nome de seu arquiteto, um dos mais conhecidos do Brasil por seus vários projetos de expressão, como a construção da cidade de Brasília. O museu em Curitiba é caracterizo pela ousadia do arquiteto em criar o local na forma curiosa de um olho. Algo extremamente interessante.

Passamos por algumas ciclovias no interior de alguns parques espalhados pela cidade, até chegarmos na famosa Ópera de Arame, mais um cartão postal de Curitiba, o que destaca-se é a forma como foi construída e o local em que está instalada, no meio de um lago com rochedos enormes aos lados e toda uma bela paisagem proporcionada pela natureza presente no ambiente. Vale mencionar também, que importantes apresentações ocorreram na Ópera de Arame, com celebridades como Chico Buarque, Tom Jobim, Roberto Carlos, entre outros.

Seguimos nosso giro, pedalando pelas ruas de Curitiba, próximo à Ópera de Arame, fomos conhecer o Parque Tanguá mais uma referencia turística da capital e que proporciona um belo visual da região, uma vez que está instalada em um ponto alto da cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário